Sobre o autor

Comecei minha vida profissional muito antes dos 18 anos, desde pequeno trabalhava com meu pai em seu comércio no bairro onde cresci. Após alguns anos comecei a ter um horário fixo no comércio, onde você aprende a lidar literalmente com as pessoas, eu confesso a vocês que odiava o que fazia.

Aos 18 anos comecei a entregar currículo por São Bernardo do Campo, cidade onde morava e também em toda região do ABCD, não foi fácil, quem quer dar emprego a uma pessoa sem experiência na carteira? Poucas pessoas!

Consegui uma vaga em um Telemarketing receptivo que atendia o cliente Visanet (atual Cielo), eu comecei dando suporte as máquinas de cartões e fui subindo de área. Durante esse período a Cielo negociou o telemarketing com a HP, e conseqüentemente fomos migrados para HP, foi aí que comecei a se interessar tecnicamente pela área de TI.

Pouco tempo depois, consegui ser promovido a Coordenador de Help Desk, o que era um feito e tanto, já que tinha pouco mais de 21 anos e gerenciar uma equipe de pouco mais de 45 pessoas, isso variava conforme saía mais pessoas do que entrava na empresa. (Salário baixo, as pessoas sempre estão buscando o melhor)

Nesse momento precisava buscar qualificação, fui promovido com a promessa de ingressar no Ensino Superior, fui fazer Gestão da Tecnologia da Informação, na faculdade mais barata que tinha. Eu tinha recebido um aumento salarial referente a carga horária e ficou a promessa que receberia aumento assim que a diretoria dos Estados Unidos aprovassem o aumento.

Meu salário que era R$ 573,00 reais subiu para R$ 725,00 bruto, mal dava pra pagar os R$ 425,00 reais da faculdade, comprar roupas sociais para a nova função e ainda tinha que ir em encontros da coordenação, quando você está nessa posição, o networking é fundamental para crescer.

Além disso, me deslumbrei e comprei um carro, meu primeiro carro, parcelado em 60x (dá frio na barriga só de pensar), com uma simples promessa de aumento salarial que ainda planejava fazer o inglês quando o dinheiro a mais ganharia na conta.

Passado pouco mais de 6 meses nada do aumento, estava cheio de dividas, no seria pra menos, faculdade, carro, roupas, bares com os amigos, baladas e algumas viagens, afinal eu só tinha 22 anos, queria curtir também a vida.

Sempre ouvia falar que a área de TI da HP era a “galinha de ovos de ouro” da empresa, e por isso, como estava fazendo faculdade, decidi me candidatar a uma vaga no monitoramento de servidores da empresa em um Data Center. Passei pelo processo seletivo e finalmente pensei, agora sim, vão me valorizar e vou receber um aumento de salario justo e equiparado com a área.

Engano meu, recebi um aumento referente a primeira promoção de coordenador que tinha promovido a quase dois anos antes. Fiquei com o salário de R$ 1.200, o que já era um grande feito, mas oras, a área em que estava o salário era em média R$ 2.500,00.

Então, alguns meses depois, de brigar com chefe algumas vezes, pedi que me dispensassem, o que eles não fizeram, então após tirar férias, na volta decidi pedir demissão, sem nada em vista, com muitas contas para pagar.

Foram meses e anos dificies, sujei meu nome, quase perdi o carro e para pagar ele e as demais contas, comecei a trabalhar de manobrista, porteiro de estacionamento, Staff de som para DJ e muitos outros trabalhos.

Minha mãe decidiu usar o dinheiro que ela guardava a muitos anos pagar a divida que faltava do carro para a gente não perder ele.

Bom, passados alguns anos, entrei em outras empresas como Stefanini, Tim e outras empresas não conseguia me identificar mas com a área, era sempre a mesma promessa, faça alguma coisa e depois pensamos se vamos retribuir.

Decidi também a montar dois negócios do zero, uma loja de som e acessórios e também um lava rápido, sem sucesso nos casos.

Nessa altura eu já tinha pouco mais de 26 anos e estava no pior momento da minha vida, fazendo “bicos”, um deles de corretor de imóvel e diversas pensando o que aconteceu com aquele menino de 20 anos que achava que aos 30 anos teria 1 milhão na conta corrente, uma vida tranquila e uma carreira no caminho do sucesso.

Estava devendo pouco mais de 25 mil reais nos bancos, amigos e pais. Foi então que eu conheci uma pessoa que mudou minha vida, hoje atual esposa eu co-fundadora desse blog.

Começamos a sair e aos poucos começamos a namorar e ela começou a me ajudar emocionalmente, uma das coisas, foram, volte a fazer a faculdade e as oportunidades vão aparecer.

Voltei a fazer a faculdade e consegui um emprego por onde trabalhei por um bom tempo até colocar a casa em ordem. Como tudo não são flores, a empresa começou a deixa a desejar e muitas coisas e percebi que o problema não era exatamente a empresa, mas eu que não serveria para trabalhar como um simples empregado.

Começamos a viajar e aproveitar muitas promoções bombásticas e percebemos que as pessoas não sabia aproveitar as promoções e nem como economizar em uma viagem.

Foi ai que decidi criar o blog, com ideia da minha namorada, criei esse blog Viajar Sem Grana para ajudar as pessoas que independente da classe social (nem deveria existir essa palavra), independente das suas condições, dá para aproveitar as promoções e viajar.

Passando algum tempo, pedi em casamento e em Abril de 2018 a gente casou em Cancún, em uma cerimônia do nosso jeito, na praia, e no mesmo lugar que eu sonhava em conhecer desde dos 15 anos.

Hoje o blog é tratado de maneira profissional e busco trazer meus conhecimentos para todas as pessoas que acessam nosso blog diariamente.

Essa é a minha história, ainda não estou nem na metade do caminho, mas agora sim eu vejo uma trajetória de sucesso em minha vida e quero que vocês também tenham.

Waldes Oliveira

Utilizamos cookies para proporcionar-lhe uma melhor experiência. Se continuar navegando em nosso site, consideramos que está de acordo com a nossa política de privacidade. Aceitar Ler mais!